Eu sou uma adulta que não apanhou dos pais. E sou muito bem educada.

Eu sou uma adulta que não apanhou dos pais. E sou muito bem educada.

Xiiii… e agora?
Não afirmam que tem que apanhar na infância para não apanhar depois da polícia? Não afirmam que apanharam sim, mereceram, e que graças as palmadas é que se tornaram gente do bem?

Será que sou exceção?

E por que quem apanha e se torna ‘cidadão de bem’ não se considera exceção?

Por que quem apanhou na infância e ‘não tem traumas’ pode supor que essa seja a realidade de todos que apanharam?

Por que podem achar que seus filhos não carregarão traumas decorrentes da violência? Que eles reagirão da mesma maneira, terão a mesma capacidade de resiliência e não darão uma resposta negativa aos castigos físicos?

Vamos pensar juntos?

#crescersemviolencia

Texto novo no blog!
Eu sou uma adulta que não apanhou dos pais!

Imagem daqui

Desde que foi aprovada pela Câmara (falta ainda passar pelo senado), no último dia 21, a ‘lei da palmada’ – agora ‘Lei menino Bernardo’ – tem causado reboliço nas redes sociais, principalmente por parte daqueles que lhe são contrários. O argumento que mais tenho visto por aí é …
http://eumamae.com/?p=1047
#BaterEmCriançaéCovardia, #CriaçãoComApego, #DisciplinaPositiva
10370450_624187117657960_8900567764633127995_n

Anúncios
Esse post foi publicado em Blogs, Disciplina positiva /gentil, Lei Menino Bernardo e marcado , , , , . Guardar link permanente.